Ir para o conteúdo

TIE-Brasil

Voltar a TIE-Brasil
Tela cheia Sugerir um artigo

Falta ​V​isão ​E​stratégica ao​ Brasil

25 de Setembro de 2013, 4:20 , por Castor Filho - 0sem comentários ainda | No one following this article yet.
Visualizado 179 vezes

Coluna Econômica - 25/9/2013

Um dos grandes problemas das políticas públicas brasileira é o da falta de continuidade. Especialmente, o da falta de continuidade dos projetos estruturantes.


Há exceções, como é o caso das políticas sociais, armadas em cima de bases conceituais sólidas.


Em outras áreas, têm continuidade os projetos sob tutela de alguma organização pública específica. É o caso da diplomacia, sob a orientação do Itamaraty. Ou da política de petróleo e gás, sob o guarda-chuva da Petrobras, com seus desdobramentos na área naval. Ou ainda as Forças Armadas e seus institutos militares -  trabalhando sem uma integração maior.


Mas, de uma maneira geral, as pressões da conjuntura é que acabam determinando as prioridades do momento.


***


Tudo isso decorre da falta de think tanks, de centros de pensamento estratégicos intrinsecamente ligados ao Estado brasileiro, sem depender dos humores do governo de plantão.


Nos anos 90, apenas a Escola Superior de Guerra arriscava discutir estrategicamente o país, mas ainda dentro da visão compartimentalizada e autárquica tradicionais. Houve alguns ensaios com o Plano de Integração Competitiva, desenvolvido por Julio Mourão no BNDES e que serviu de bússola para as tentativas de abertura programada do governo Collor - atropeladas pela política cambial inaugurada com o Plano Real.


***


Depois disso, pouco se avançou. No governo Lula, o presidente incumbiu Luiz Gushiken de montar estudos prospectivos, no âmbito da Secretaria Especial de Assuntos Estratégicos (SAE).


Montou-se o Brasil em 3 Tempos, uma tentativa de think tank aberto, utilizando a melhor metodologia de planejamento estratégico.


Não vingou. A discussão ficou restrita a especialistas, sem jamais chegar a uma opinião pública ampliada e - pior - sem jamais se ligar ao dia a dia da administração pública.


***


Seguiu-se o período Roberto Mangabeira Unger, que adotou um outro estilo. 


Garimpava os projetos inovadores na administração pública e tratava de lhes dar publicidade. Com essa atuação, ajudou a desengavetar muitos projetos ambiciosos.


Saiu Mangabeira, interrompeu-se essa atuação.


Seguiu-se um período em que a SAE limitou-se aos estudos do IPEA - dirigidos por Márcio Pochmann, a melhor cabeça prospectiva do PT.


Depois, passou para o político fluminense Moreira Franco e, agora, com o professor da FGV Marcelo Nery.


Trata-se de um intelectual respeitado, que se tornou um dos melhores avalistas do Bolsa Família - especialmente junto ao pensamento mais conservador da FGV-Rio.


Na SAE, Nery prosseguiu em seus estudos sobre a nova classe média, os novos hábitos. São relevantes, mas não são assuntos estratégicos. No máximo, são insumos para a definição desse pensamento estratégico.


Sem ele, a visão de futuro do governo Dilma fica restrito ao pensamento de Dilma. Se ela sair amanhã, o pensamento vai com ela.


Além disso, o pensamento Dilma focaliza a logística, a educação e/ou inclusão social e a inovação. O país é mais complexo que isso. Mas não há as linhas-mestras de uma visão estratégica integrada para completar sua visão de futuro.


Email: luisnassif@ig.com.br

Blog: www.luisnassif.com.br

Portal: www.luisnassif.com

"Todos os direitos reservados, sendo proibida a reprodução total ou parcial por meio impresso"

Visite o BLOG  ​e confira outras crônicas​


Fonte: Castor Filho

0sem comentários ainda

    Enviar um comentário

    Os campos realçados são obrigatórios.

    Se você é um usuário registrado, pode se identificar e ser reconhecido automaticamente.

    Cancelar