Ir para o conteúdo

TIE-Brasil

Voltar a TIE-Brasil
Tela cheia Sugerir um artigo

Os Caminhos da Economia em 2013

27 de Fevereiro de 2013, 21:00 , por Castor Filho - 0sem comentários ainda | No one following this article yet.
Visualizado 115 vezes

Coluna Econômica - 28/02/2013

Para entender os desafios atuais da economia.


O ciclo do desenvolvimento consiste nas seguintes etapas:


  1. Formação da demanda, através do fortalecimento do mercado interno e das exportações.
  2. Fortalecimento da produção interna, para atender à demanda.

O aumento da produção interna gera mais investimentos, que geram mais empregos, que fortalecem mais o mercado interno, completando-se o círculo virtuoso.


***


Por enquanto há dificuldades em completar o segundo ciclo, apesar dos avanços da redução dos juros e melhoria do câmbio.


O fato do fator 2 não ter se completado faz com que todo aumento de demanda de produtos comercializáveis (aqueles negociados no mercado internacional) seja atendido pelas importações, gerando uma pressão nas contas correntes brasileiras.


No ano passado, o consumo de industrializados cresceu mais de 8%; a produção caiu 2,8%. No setor químico, o consumo aparente tem crescido 7,1% ao ano desde 2007. E a produção continua no mesmo patamar. Em cinco anos, houve estagnação interna, enquanto o aumento de consumo foi totalmente absorvido pelas importações.

A indústria química fechou 2012 com um déficit de US$ 28,1 bilhões. Em 2013, o buraco será maior. Apenas em janeiro o déficit em conta corrente foi de US$ 11 bilhões.


***


As reservas internacionais permitem empurrar algum tempo com a barriga. Mas esse desequilíbrio terá que ser desmontado em algum momento, sob pena de uma crise futura nas contas externas.


***


Trata-se de uma equação complexa. Os salários melhoraram, o emprego melhorou e existe mais crédito disponível para consumo. Como a produção interna não atende a essa demanda, há um aumento dos preços de serviço e de moradia e uma pressão nas contas externas.

 

Este é nó central. Para ser desarmado, exigiria um reajuste muito mais acentuado do câmbio. Mas aí se esbarra na outra perna da equação: os efeitos sobre a inflação e sobre a renda.


***


No ano passado, procedeu-se a uma corajosa desvalorização cambial de cerca de 30%. Mas não se resolveu o problema da competitividade interna.


Além disso, o discurso desconexo do Ministro da Fazenda Guido Mantega lançou uma nuvem de imprevisibilidade sobre os agentes econômicos. Somado ao aumento dos preços de alimentos, provocou essa alta da inflação no final do ano passado e início deste ano.


Grandes fabricantes – como Nestlé, Gessy Lever, Procter & Gamble, conseguiram emplacar reajustes médios de 10% nos atacadistas. Esses reajustes concentraram-se no setor alimentício.


Pode-se tratar o problema com antibiótico ou antigripal. O antibiótico seriam medidas duras na área de crédito, com impacto sobre o consumo – e sobre o PIB. Não é o caso ainda.

***

Tem-se um desafio imediato, que consiste em desarmar as expectativas inflacionarias, trabalho que vem sendo conduzido pelo discurso mais sólido do presidente do Banco Central Alexandre Tombini. O recuo recente dos preços de alimentos ajudará nessa empreitada.


Para compensar o câmbio apreciado, o governo vem procedendo a uma série de desonerações tributárias. Mas ainda se mostram insuficientes.


De qualquer modo, a estratégia está montada. Os próximos meses indicarão se foi bem sucedida ou exigirá dosagens maiores.


IGP-M recua em fevereiro


O Índice Geral de Preços – Mercado (IGP-M) subiu 0,29% em fevereiro, abaixo dos 0,34% de janeiro, segundo a Fundação Getúlio Vargas (FGV). Em fevereiro de 2012, a variação foi de -0,06%. O Índice de Preços ao Produtor Amplo (IPA) ficou em 0,21%, ante 0,11% em janeiro, enquanto o Índice de Preços ao Consumidor (IPC) atingiu 0,30%, ante 0,98% em janeiro, com destaque para Habitação (de 0,38% para -1,75%). O Índice Nacional de Custo da Construção (INCC) somou 0,80%, acima dos 0,39% do mês anterior.

 

BC 01: Superávit primário atinge R$ 30,3 bi


O setor público consolidado apresentou um superávit primário de R$ 30,3 bilhões em janeiro, o melhor resultado mensal da série, iniciada em dezembro de 2001. Segundo dados divulgados pelo Banco Central, o Governo Central registrou superávit de R$ 26,1 bilhões; os governos regionais, superávit de R$4,2 bilhões; e as empresas estatais, déficit de R$49 milhões. No acumulado em doze meses, o superávit alcançou R$ 109,2 bilhões, um total equivalente a 2,46% do PIB (Produto Interno Bruto).

 

Atividade econômica seguirá em recuperação


A perspectiva de atividade econômica mensurada pela consultoria Serasa Experian cresceu 0,1% em dezembro de 2012 frente ao registrado em novembro, atingindo o total de 101,5 pontos. Como a metodologia do indicador permite antever os movimentos cíclicos da atividade econômica com seis meses de antecedência em média, a longa sequência de variações mensais positivas aponta para a continuidade do processo de retomada mais firme do crescimento econômico ao longo do primeiro semestre de 2013.

 

Retirada de dólares volta a avançar


As retiradas de dólares do país continuaram a ultrapassar o total de entradas. Até o dia 22 de fevereiro, a saída líquida (descontada a entrada) chegou a US$ 2,840 bilhões, segundo o Banco Central. Ao longo da última semana, US$ 2,022 bilhões foram retirados do país. No mês, as saídas foram registradas tanto no fluxo comercial, com US$ 895 milhões, quanto no financeiro, com US$ 1,945 bilhão. No ano, a saída líquida está em US$ 5,226 bilhões.

 

Brasil terá R$ 3,8 trilhões em investimentos até 2016


O ano de 2013 será um ano de “forte crescimento dos investimentos”, segundo declarações do ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC), Fernando Pimentel. O prognóstico foi elaborado a partir de projeções do Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), com base em consultas a todos os setores da economia. Pelos dados estipulados, o montante de investimentos entre 2013 e 2016 deverá chegar a R$ 3,8 trilhões.


BC 02: Dívida mobiliária soma 41,3% do PIB


Quando avaliada pela posição de carteira, a dívida mobiliária federal, fora do Banco Central, totalizou R$ 1,837,8 trilhão no mês de janeiro, equivalente a 41,3% do PIB (Produto Interno Bruto), segundo dados do Banco Central. Ao mesmo tempo, a dívida líquida do setor público (DLSP) em janeiro atingiu R$ 1,563 trilhão (35,2% do PIB), mantendo-se praticamente estável como proporção do PIB em relação ao mês anterior. A Dívida Bruta do Governo Geral alcançou R$ 2,623 trilhões (59% do PIB).

 

Email: luisnassif@ig.com.br

Blog: www.luisnassif.com.br 


"Todos os direitos reservados, sendo proibida a reprodução total ou parcial por meio impresso"

Visite o BLOG e confira outras crônicas


Fonte: Castor Filho

0sem comentários ainda

    Enviar um comentário

    Os campos realçados são obrigatórios.

    Se você é um usuário registrado, pode se identificar e ser reconhecido automaticamente.

    Cancelar